1

Macarrão de verão: 7 receitas de massas frescas e leves

macarrão de verão bifum
Se durante o inverno buscamos pratos para nos aquecer, no verão a situação é completamente diferente. As receitas mais comuns na estação mais quente do ano são as com ingredientes frescos, aromáticos e suculentos, para se refrescar durante os fins de semana com os amigos e familiares.

Para ajudar você a preparar uma bela refeição nos dias de calor, listamos sete receitas de macarrão de verão. Muitas delas são veganas e livres de glúten, outras levam frutos do mar, mas todas são deliciosas e vão impressionar você. Confira!

1. Salada de bifum

Muito utilizado para fazer saladas e massas frias, o bifum é um tipo de macarrão sem glúten, feito de arroz. É fácil de se preparar, levando pouco mais de um minuto para ficar pronto.

Abaixo, incluímos uma sugestão vegana feita pelo canal Presunto Vegetariano, que leva pepino, cenoura e gergelim. Porém, você pode usar a imaginação para criar sua própria versão! O bifum combina bem com legumes, frango e frutos do mar.


2. Macarrão de abobrinha à provençal

macarrão de verão macarrão de abobrinha provençal

O macarrão de abobrinha fica leve, delicioso e combina bem com o verão.

Uma opção deliciosa (e vegana!) às massas comuns é a abobrinha. O legume, quando ralado, fica com uma textura al dente que lembra muito o macarrão, além de trazer muita cor e sabor ao prato.

Ingredientes

  • 2 abobrinhas grandes
  • 150 gramas de cogumelo paris ou portobello
  • 10 tomates cereja
  • 1 limão siciliano
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto
  • Ervas frescas

Modo de preparo

Para preparar a abobrinha, você pode usar um ralador grosso, uma mandolina ou um descascador de legumes, basta fazer tirinhas semelhantes a uma massa comum. Feito isso, reserve.

Em uma frigideira, frite os cogumelos até ficarem bem dourados, retire e reserve. Em seguida, acrescente um bom fio de azeite, o alho, e frite por cerca de um minuto.

Abaixe o fogo e retorne o cogumelo e acrescente os tomates na frigideira, com o suco de meio limão e cerca de 50 ml de água, e tempere com sal e pimenta-do-reino.

Após cerca de dois minutos, junte a abobrinha ralada e deixe cozinhar até atingir o ponto al dente. Sirva decorando com ervas frescas de sua preferência.

3. Massa de talharim sem glúten

O macarrão de farinha de arroz é uma ótima alternativa ao tradicional. Fica com sabor e textura bastante similares, porém é mais leve, não possui glúten, e é rico em fibras, auxiliando na regulação do colesterol e contribuindo para uma boa digestão e circulação.

Entretanto, ao contrário do trigo, esse tipo de farinha não desenvolve elasticidade, por isso é necessário misturá-la a outros produtos que contenham amido e que desenvolvam essa característica.

A receita abaixo é do canal Viver Sem Trigo por Paula Martins.

Ingredientes

  • 500 g de farinha de arroz
  • 300 g de fécula de batata
  • 200 g de polvilho doce
  • 10 g de goma xantana
  • 10 g de goma guar ou CMC
  • 5 g de sal

Modo de preparo

O modo de preparo é parecido com o da massa fresca comum, com alguns detalhes para prestar atenção. Se você tiver um cilindro, o processo fica um pouco mais fácil – caso não tenha, pode usar o bom e velho rolo de macarrão!

4. Fettuccine de pupunha ao molho de tomate

O palmito pupunha é um ingrediente tipicamente brasileiro. Muito versátil, é rico em fibras, vitaminas e minerais e perfeito para fazer um macarrão de verão delicioso e sem glúten!

Assim como a abobrinha, não são necessários muitos preparos! Basta tirar fatias finas e moldá-lo como um fettuccine comum, pois o palmito pupunha é muito saboroso e tem uma ótima textura.

Ingredientes

  • 350 gramas de palmito pupunha
  • 1 lata de tomate pelado
  • ½ cebola cortada em cubos
  • 2 dentes de alho
  • 2 folhas de louro
  • Manjericão a gosto
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo

Comece fazendo fatias finas do palmito, com o auxílio de uma mandolina ou faca. Divida cada pedaço em fileiras finas, para que fiquem com o formato de um macarrão tipo fettuccine.

Encha uma panela alta com água, acrescente uma colher de sopa de sal e leve ao fogo até levantar fervura. Em seguida, adicione todo o palmito já cortado, e deixe cozinhar por alguns minutos. Não há uma regra e isso pode variar de acordo com o ingrediente, portanto, vá experimentando até chegar à textura que você deseja.

Para preparar o molho, frite as cebolas e o alho em um fio de azeite até que fiquem levemente dourados. Em seguida, acrescente os tomates, com a mesma medida da lata de água. Tempere com sal e pimenta-do-reino e deixe cozinhar em fogo baixo por alguns minutos.

Sirva o fettuccine de pupunha cobrindo com molho e finalizando com folhas de manjericão fresco.

5. Penne sem glúten ao molho pesto

O pesto é um molho italiano à base de azeite, original da região de Gênova, na Itália. É aromático e refrescante e combina bem com entradas, saladas e torradinhas, mas também com macarrão.

Originalmente, é feito com ingredientes muito típicos da região italiana (como pinoli, manjericão e queijo pecorino romano). Aqui no Brasil, a receita pode ser adaptada utilizando elementos característicos de cada região.

Como semente, é possível usar nozes, castanha-do-pará, castanha-de-caju ou pinhão; em vez do manjericão, algumas alternativas são rúcula, espinafre, couve e ora-pro-nóbis; por fim, pode-se substituir o queijo pecorino romano por qualquer tipo bem curado, como o parmesão.

Ingredientes

  • Macarrão penne sem glúten (de milho ou arroz)
  • 2 xícaras de manjericão fresco
  • ½ xícara de castanhas
  • 1 ½ xícara de azeite
  • 2 dentes de alho
  • 1 xícara de queijo pecorino romano ralado
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo

Em um liquidificador ou processador, acrescente o manjericão, o alho e uma pitada de sal, e bata por alguns segundos. Para que as folhas não se desfaçam e oxidem, dê pequenas pulsadas até ficarem picadas.

Em seguida, acrescente o queijo ralado, as castanhas, a pimenta-do-reino e o azeite de oliva e bata novamente. Caso as castanhas estejam grandes, triture um pouco com antecedência. O ponto ideal é uma pasta verde brilhante, com alguns pedaços.

Para preparar a massa, siga as instruções e o tempo previsto na embalagem. Após atingir o ponto, escorra a água e misture o penne ao pesto

6. Tagliatelle com frutos do mar

macarrão de verão Tagliatelle com frutos do mar

No verão, nada melhor que um prato com frutos do mar!

Quando combinadas a frutos do mar, as massas proporcionam uma experiência gustativa completamente diferenciada. O sabor inconfundível desses ingredientes eleva a qualidade do prato e proporciona uma verdadeira viagem ao litoral.

A dica para o preparo dessa receita é utilizar uma massa à base de nero di seppia, ou seja, tinta de lula, uma iguaria típica do mediterrâneo. Esse ingrediente tem uma coloração negra bonita e traz sabores e aromas marinhos.

Também é essencial limpar bem os fruto do mar e prestar atenção ao ponto de cada um, pois quando ficam bem passados, perdem sabor e textura ideal.

Ingredientes

  • 300 gramas de tagliatelle nero di seppia
  • 100 gramas de mariscos
  • 100 gramas de anéis de lula frescos
  • 100 gramas de camarão
  • 3 dentes de alho picados
  • ½ cebola picada
  • 3 tomates picados
  • 1 limão siciliano
  • ½ taça de vinho branco
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto
  • Ervas para finalizar

Modo de preparo

Para começar, encha uma panela alta com água, tempere com sal e leve ao fogo. Assim que levantar fervura, coloque o macarrão e deixe cozinhar, seguindo as instruções da embalagem. Após o tempo de cocção, escorra e reserve.

Em uma frigideira larga e alta, acrescente um belo fio de azeite e frite a cebola e o alho. Após cerca de um minuto, adicione os frutos do mar, com exceção do camarão.

Deixe que fritem bem, e quando o líquido secar, adicione o vinho branco para deglaçar o fundo. Quando o álcool evaporar, junte os tomates e tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto. Depois, cozinhe por alguns minutos.

Enquanto isso, tempere os camarões com sal e doure em uma frigideira em fogo alto com um fio de azeite. Um pouco mais de um minuto de cada lado é suficiente para que atinja o ponto!

Para finalizar, misture o macarrão cozido e o camarão na frigideira alta, juntamente com os frutos do mar. Enfeite com ervas frescas de sua preferência, como salsinha ou coentro.

7. Farfalle com legumes e ricota

Para finalizar, um macarrão de verão saboroso e que combina perfeitamente com o clima quente. Essa versão não leva carne, mas pode ser personalizada com bacon ou frango cortado em tirinhas.

  • 200 gramas de macarrão tipo Farfalle sem glúten
  • 1 abobrinha cortada em tiras
  • ¼ xícara de ervilhas frescas
  • 1 dente de alho picado
  • 50 gramas de vagens cortadas
  • ½ cenoura ralada
  • 100 gramas de creme de ricota
  • Ervas frescas

Cozinhe o macarrão seguindo as instruções da embalagem, escorra e reserve.

Em uma frigideira larga e alta, acrescente um fio de azeite e as abobrinhas para dourar por um minuto. Em seguida, adicione o alho picado e frite mais um pouco. Depois, complete com o restante dos legumes, mexendo bem para que não queimem.

Quando tudo estiver bem frito, acrescente o creme de ricota e deixe cozinhar por alguns minutos. Por fim, finalize com ervas frescas de sua preferência.

Essas são só algumas das receitas de macarrão de verão que você pode preparar durante a estação! Sempre é possível utilizar a criatividade e criar novos pratos a partir dos seus ingredientes favoritos, ou até do que você tiver em casa.

Se você gostou das nossas sugestões e quer receber novos conteúdos diretamente no seu e-mail, basta preencher o formulário abaixo e assinar nossa newsletter!





7 receitas de massa de pizza: aprenda a fazer em casa!

receitas de massa de pizza

Ao contrário do que muita gente pensa, receitas de massa de pizza não são tão difíceis assim. Há uma série de opções que ficam deliciosas e podem ser preparadas em casa, com ingredientes comuns e processos simples.

Quer conferir sete receitas de massa de pizza diferentes para fazer em casa com a família? Continue a leitura até o fim!

1. Massa de pizza simples

Nem todas as receitas de massa de pizza precisam ser complicadas. Esta versão fica bem lisinha e crocante. É fácil de preparar, leva poucos ingredientes e fica pronta em poucos minutos.

Ingredientes

  • 2 ½ xícaras (chá) de farinha de trigo
  • ¼ de xícara (chá) de água morna
  • 2 colheres (sopa) de manteiga derretida
  • 1 colher (chá) de fermento químico em pó
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 colher (chá) de açúcar
  • 1 ovo

Modo de preparo

Em uma tigela, misture todos os ingredientes secos, a manteiga e o ovo. Quando formar uma farofinha, acrescente a água aos pouquinhos e vá mexendo até que a massa fique lisa e homogênea. Deixe descansar por 10 a 15 minutos.

O próximo passo é abrir a massa. Polvilhe um pouco de farinha na bancada e vá passando o rolo até que fique do tamanho de sua assadeira. Faça uns furinhos com um garfo e leve ao forno pré-aquecido a 200 graus por 10 minutos, para que ela fique levemente dourada.

Rolo de massa de pizza

Abra a massa com um rolo sobre uma superfície enfarinhada.

Em seguida, recheie com molho de tomate, queijo e outros ingredientes de sua preferência e volte ao forno por mais 10 minutos, ou até que o queijo derreta.

2. Pizza de liquidificador

Não se dá bem dando ponto em massas? Não tem problema! Esta pizza de liquidificador é ideal para quem não tem tantas habilidades culinárias e mesmo assim quer se aventurar na cozinha.

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 xícaras (chá) de leite em temperatura ambiente
  • 2 ovos
  • ½ xícara (chá) de óleo ou azeite
  • 1 colher (café) de fermento químico em pó
  • 1 pitada de sal

Modo de preparo

Coloque todos os ingredientes (menos o fermento) no liquidificador e bata por cerca de um minuto até que forme um líquido homogêneo. Quando atingir esse ponto, desligue, acrescente o fermento e mexa com uma colher.

Despeje o líquido em uma forma untada com óleo e farinha de trigo e leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por cerca de 15 minutos. Após esse tempo, retire, recheie como quiser e volte ao forno por mais 10 minutos.

3. Massa de pizza completa

Esta é uma das receitas de massa de pizza que ficam macias, parecendo com as de pizzarias brasileiras. A fermentação é um pouquinho mais demorada, mas o resultado vale muito a pena!

Ingredientes

  • 1 kg de farinha de trigo (aproximadamente)
  • 500mL de água morna
  • 1 colher (sopa) de açúcar
  • ½ colher (sopa) de sal
  • 2 colheres (sopa) de azeite
  • 1 ovo
  • 20g de fermento fresco ou 10g de fermento seco

Modo de preparo

Para começar, adicione o fermento biológico e o açúcar em uma tigela e mexa até que a mistura derreta, formando uma pastinha. Feito isso, adicione a água morna, o azeite e o sal.

Depois que os líquidos ficarem uniformes, chegou a hora da farinha de trigo. Adicione metade da quantidade e mexa até que se incorpore totalmente. Em seguida, vá adicionando aos poucos até que a massa atinja o ponto ideal: quando não grudar mais na mão e estiver elástica.

Dica: sempre que for trabalhar com massas, saiba que as quantidades de farinha de trigo podem variar de acordo com o tipo, a marca, o clima e a umidade do ar. Por isso, vá acrescentando aos poucos até conseguir o resultado desejado.

Em uma superfície lisa, polvilhe um pouco de farinha de trigo, coloque sua massa e comece a sovar. Com a palma da mão, vá empurrando na bancada, e depois dobrando o meio.

Sova da massa da pizza

O processo de sova desenvolve o glúten na massa.

Se a massa começar a grudar nas mãos ou na bancada, polvilhe um pouco mais de farinha. Repita esse processo até que fique bem lisinha, e deixe descansar por cerca de uma hora.

Após esse período, divida em quatro pedaços iguais com uma faca e abra cada um deles com a ajuda de um rolo, deixando no formato da sua assadeira. Recheie com os ingredientes de sua preferência e leve ao forno pré-aquecido a 200 graus por cerca de 15 minutos, ou até ficar dourada.

Caso queira guardá-la para outro dia, basta colocar em um saquinho plástico ou pote com tampa e levar ao congelador. Quando quiser usar, retire e deixe descongelar naturalmente.

4. Massa de pizza low carb

Para quem está seguindo uma dieta, mas não quer abrir mão de comer uma boa pizza, uma opção é preparar essa massa low carb. Não tem lactose e nem glúten, e leva poucos ingredientes.

Ingredientes

  • 2 ovos
  • 4 colheres (sopa) de farinha sem glúten (de quinoa, amêndoas, aveia ou coco)
  • ½ colher (sopa) de azeite
  • 1 colher (sopa) queijo parmesão ralado
  • 1 colher (chá) de fermento em pó químico
  • 1 pitada de sal

Modo de preparo

Em uma tigela, misture todos os ingredientes até formar uma massa líquida bem homogênea. Despeje tudo em uma assadeira e leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por 15 minutos.

Em seguida, retire a massa, acrescente os recheios de sua preferência e leve novamente ao forno por mais alguns minutos.

5. Massa de pizza napolitana

Na Itália, há uma série de receitas de massa de pizza diferentes. Uma das mais conhecidas é a napolitana, que passa por um longo processo de fermentação e é servida em porções menores e individuais.

A receita é do canal Receitas do Chef José Carlos.

Ingredientes

  • 1 kg de farinha italiana
  • 600 mL de água filtrada
  • 10g de fermento biológico seco
  • 30g de sal
  • 20 a 30mL de azeite

Modo de preparo

6. Massa de pizza nova-iorquina

Assim como os italianos e os brasileiros, os nova-iorquinos têm sua própria versão de pizza. Para esta receita, é importante utilizar a batedeira para que a massa desenvolva glúten e fique bem macia.

Ingredientes – fermentação

  • 1 colher (chá) de fermento biológico seco
  • 1 colher (chá) de açúcar
  • ¼ xícara de água morna

Ingredientes – massa

  • 2 xícaras de água morna
  • 1 colher (sopa) de açúcar
  • 1 colher (sopa) de sal
  • ¼ xícara de azeite
  • 5 xícaras de farinha de trigo (aproximadamente)

Modo de preparo

Para começar a primeira parte, junte o fermento, uma colher de chá de açúcar e ¼ de xícara de água morna em um recipiente e deixe agir por 5 minutos.

Em uma batedeira, acrescente a primeira parte da receita juntamente com o restante da água, uma colher de sopa de açúcar e metade da farinha. Bata por cerca de 5 minutos com um gancho na velocidade mais baixa.

Após esse tempo, adicione o azeite, o sal e o restante da farinha e deixe bater em velocidade alta por mais 10 minutos, até que a massa esteja bem lisa e não grude mais nas mãos (se não atingir esse ponto, acrescente farinha e bata mais).

Divida a massa em quatro porções e coloque em quatro recipientes, cobrindo com um fio de óleo para que não ressequem. Leve à geladeira, deixando descansar por, pelo menos, 24 horas.

Assim que a massa estiver pronta, abra com a ajuda de um rolo em uma superfície enfarinhada. Recheie com molho de tomate, queijo e outros ingredientes de sua preferência e leve ao forno pré-assado a 200 graus por entre 5 e 10 minutos, até que a massa fique bem dourada.

Pizza novaiorquina em destaque

A massa de pizza novaiorquina fica crocante e deliciosa.

7. Massa de pizza sabor chocolate

Que tal preparar uma massa doce? Esta receita leva cacau em pó, e o resultado é uma massa mais escura, com sabor e aroma de chocolate e que você pode rechear como quiser.

Esta receita também foi preparada em vídeo pelo Chef José Carlos. Confira!

Ingredientes

  • 500 g de farinha italiana
  • 280 mL de água filtrada
  • 25 g de leite em pó
  • 50 g de açúcar
  • 50 g de chocolate em pó
  • 25 g de óleo
  • 5 g de fermento biológico seco
  • 12 g de sal

Modo de preparo

Se você gosta de se aventurar na cozinha, sabe que não há nada melhor do que preparar um bom prato. Por isso, escolha sua receita de massa de pizza favorita e faça em casa com sua família!

Banner Divvino Vinhos para harmonizar com pizza




Aprenda a harmonizar lasanha com vinho Chardonnay

Quando falamos em comfort food, ou seja, comidas que provocam sensações de bem-estar e carinho, é muito comum lembrarmos da lasanha, um prato quente, delicioso e que costuma despertar memórias agradáveis.

O que muitos não sabem é que, ao harmonizar lasanha com vinho Chardonnay, essa experiência fica ainda melhor. A bebida é capaz de realçar os sabores e aromas da massa, e proporcionar conforto ao paladar.

Por isso, elaboramos um conteúdo para ajudar você a escolher o rótulo ideal para cada tipo de lasanha. Leia até o fim para descobrir!

Lasanha de vegetais

Esse tipo de lasanha tem uma grande diferença com relação às demais: ao invés de utilizar massa para separar as camadas, é comum que se use algum tipo de vegetal, como abobrinha ou berinjela. Além da consistência firme, que pode dar estrutura ao prato, esses ingredientes trazem mais sabor e aroma.

Os diferentes recheios também influenciam diretamente no tipo de vinho para acompanhar. Uma lasanha com cogumelos e molho branco acompanha um Chardonnay comum; já quando o prato leva abóboras ou nozes, escolha um rótulo envelhecido, que terá características mais rústicas e amadeiradas.

Lasanha de frango

Os vinhos Chardonnay da região da Borgonha são conhecidos por sua textura cremosa. Apesar do baixo nível de açúcar, apresentam alta acidez e aromas diversos, que vão desde frutas a mineralidade.

lasanha com vinho lasanha de frango

São perfeitos para a harmonização com lasanha de frango ao molho branco, pois têm intensidade similar à da carne branca e, ao mesmo tempo, são capazes de limpar o paladar entre um pedaço e outro da massa. Uma sugestão de rótulo é o Jean Bouchard Chardonnay 2016.

Uma dica é utilizar temperos, como pimenta-do-reino preta, que podem gerar similaridade aromática com o rótulo.

lasanha com vinho chardonnauy lasanha de frango

Os vinhos Chardonnay da região de Borgonha são ideias para harmonizar com lasanhas de frango.

Lasanha de queijo

Queijos e vinhos já são uma das principais combinações da enogastronomia, e uma ótima forma de combiná-los é fazendo uma boa lasanha.

A escolha dos queijos é muito importante para ter uma boa harmonização. Os queijos de pasta mole, como mascarpone, brie e camembert, são a melhor escolha para apreciar uma taça de Chardonnay.

Para finalizar a lasanha, você também pode utilizar variações de pasta dura, como pecorino romano e parmesão. Eles trarão notas mais pungentes e salgadas, além de dar um acabamento dourado e gratinado.

Lasanha de frutos do mar

Talvez essa versão seja menos comum que as anteriores, mas é igualmente deliciosa. O segredo é condimentar bem os frutos do mar para que seus sabores não desapareçam com a adição de queijo e molho.

Para combinar esse tipo de lasanha com vinho Chardonnay, escolha um rótulo que tenha certa intensidade, porém sem passagem por barrica. Além disso, é essencial que tenha bastante acidez e suculência no paladar para que seja compatível com os frutos do mar.

lasanha com vinho lasanha de frutos do mar

Ideal para acompanhar bons vinhos, a lasanha de frutos do mar é um prato delicioso!

Lasanha à parisiense

Esta receita é inspirada no talharim à parisiense, um prato muito comum no Brasil durante o século 20. O modo de preparo tradicional leva molho branco, presunto, queijo, ervilha fresca ,e algumas vezes, champignon.

Para este prato, escolha um Chardonnay de intensidade média e sem passagem por barrica. Um espumante brut feito com a mesma uva também é uma ótima alternativa.

Extra: Dicas de harmonização

Além da escolha do rótulo, há uma série de dicas de harmonização de lasanha com vinho que podem ajudar, especialmente com relação ao preparo da massa. Confira, a seguir, alguns fatores que contribuem para uma boa degustação!

Escolha o molho certo

O molho de tomate é muito utilizado para fazer lasanhas, e dá à massa uma característica saborosa e acolhedora. Entretanto, quando estamos fazendo harmonização com os vinhos Chardonnay, esse condimento pode atrapalhar sua degustação.

lasanha com vinho escolha o molho certo

Ao mesmo tempo que o tomate tem um alto nível de acidez, que combina bem com esse tipo de bebida, os vinhos dessa uva não têm intensidade suficiente para se equilibrar, fazendo com que o molho se sobressaia ao sabor da Chardonnay, tornando a harmonização desequilibrada

Se optar por utilizá-lo, lembre-se de colocar pequenas quantidades. Além disso, equilibre com molho branco ou à base de queijo.

Utilize os temperos como similaridade aromática

Sempre que for harmonizar lasanha com vinho, utilize os temperos como forma de gerar similaridade aromática entre o prato e a bebida. Os rótulos feitos com a uva Chardonnay, por exemplo, podem apresentar tanto aromas de ervas quanto especiarias, e transmitir isso para a massa tornará a degustação mais completa.

Pronto para harmonizar lasanha com vinho Chardonnay? Seguindo as nossas dicas, você conseguirá fazer combinações deliciosas, além de entender melhor sobre as nuances de aromas e sabores de cada prato.

Quer receber novas dicas como essas? Preencha o formulário abaixo e assine a nossa newsletter!





Descubra harmonizações entre massas e vinhos

O macarrão foi incorporado à culinária brasileira pelos imigrantes europeus durante o século 20. Desde então, o alimento faz parte das refeições do dia a dia de diversas famílias por todo o país.

Por sua importância para os brasileiros, em 2014, foi instituído em 25 de outubro o Dia Macarrão. A data já era comemorada de maneira extra-oficial desde 2005 pela International Pasta Organization, e foi então oficializada por lei nacional.

Neste Dia do Macarrão, quer aprender mais sobre a harmonização de massas e vinhos? Confira nossas dicas!

Tipos de macarrão

As massas de macarrão geralmente são feitas à base de algum tipo de farinha (trigo, semolina, grano duro) e um ingrediente líquido (água ou ovos). Elas também pode ser secas, como as industrializadas, ou frescas.

Os tipos de macarrão não alteram necessariamente sua harmonização com vinhos. Porém, para que o prato esteja saboroso e bem apresentado, o molho deve estar sempre de acordo com o formato da massa. Descubra quais são os principais tipos:

Spaghetti

Várias culturas têm seu próprio tipo de spaghetti, como chineses e árabes. A massa italiana como conhecemos, porém, só começou a aparecer no continente europeu por volta do século 9.

tipos de macarrão

Esse tipo de macarrão é fino e comprido, e por isso, é ideal para molhos não tão líquidos, como os de tomate, brancos ou à base de óleo/azeite. Outra opção são as receitas clássicas, como o cacio e pepe e o carbonara.

Algumas variações desse tipo de macarrão são o linguine, o cabelinho de anjo e o vermicelli.

Fettuccine

Tradicionalmente feito de ovos e farinha de trigo, esse tipo de macarrão é típico nas culinárias romana e toscana. Também é comprido, mas, ao contrário do spaghetti, é cortado em tiras de até 5 milímetros de largura.

Quando a largura desse está entre 6 e 10 milímetros, pode ser chamado de tagliatelle. Já quando esse tamanho está entre 2 e 3 centímetros, é empregado o nome de pappardelle.

Entre os pratos mais populares feitos com essa massa está o fettuccine alfredo, que leva um molho feito de queijo parmesão e manteiga. Outros molhos comuns são os mais espessos, à base de carne ou leite.

harmonização massas e vinhos

O molho do fettucine alfredo é feito de queijo parmesão e manteiga.

Fusilli

Também é conhecido no Brasil como “parafuso” graças ao seu formato em espiral. É ideal para molhos leves e frescos que possam se entranhar entre suas lacunas, como o pesto. Também pode ser comido frio em saladas.

As mesmas regras de combinação valem para massas com o formato similar, como rotini e campanelli.

Farfalle

É chamado assim já que, em italiano, farfalle significa “borboleta”. Surgiu entre a região da Emilia-Romana e da Lombardia por volta do século 16 e, desde então, é usado para pratos quentes, saladas e sopas.

Esse tipo de macarrão ainda tem variações, como o farfalloni, de tamanho maior, e o farfalline, sua versão menor.

Penne

O formato do penne foi criado em 1865 pelo cozinheiro San Martino d’Albaro, de Genoa. Foi nomeado dessa forma por sua similaridade com a ponta das canetas tinteiro, feitas de penas (já que penne em italiano significa “pena”).

Graças ao seu formato, que retém parte do molho, pode ser preparado com coberturas mais líquidas, à base de água, ou cremosas, à base de creme ou óleo. Geralmente, é servido com pesto, marinara ou arrabiata.

Há outras versões de macarrão em formato de tubo, como rigatoni, macaroni e tortiglioni.

harmonização massas e vinhos

O macarrão penne é geralmente servido com molhos à base de creme, água ou óleo.

Conchiglie

Esse tipo de macarrão é chamado assim por seu formato de concha. Acompanha bem molhos cremosos ou à base de carnes e podem ser recheados com queijos, carne ou ricota e assados.

Assim como os demais tipos, pode ser encontrado em tamanhos variados. Os maiores são chamados conchiglioni, e os menores, conchigliette.

Ravioli

Criado por volta do século 14, na Itália, o ravioli tem formato de pastel. Costuma ser recheado com carne, queijo ou vegetais e, em seguida, coberto com molhos à base de óleo ou manteiga para garantir untuosidade ao prato. Sua versão maior, chamada de ravioloni, é recheada com uma gema de ovo.

harmonização massas e vinhos

O ravioli é um tipo de macarrão recheado, em formato de pastel.

Massas asiáticas

Nem todo macarrão é italiano. Na verdade, há indícios que os chineses já consumiam massas finas e compridas há mais de 4 mil anos. Com o passar dos anos, outros países asiáticos, como Japão, Coréia e Filipinas, também começaram a utilizá-las como base culinária.

As massas podem ser feitas com outros ingredientes, como farinha de arroz e feijão moyashi, e utilizadas em pratos asiáticos clássicos, como yakissoba, lámen e udon.

Harmonização de massas e vinhos

Se você pretende servir um jantar especial e quer escolher um rótulo para acompanhar o prato, saiba que a harmonização de massas e vinhos está quase sempre ligada aos molhos e acompanhamentos.

Caso a massa leve algum ingrediente diferente, como farinha integral, tinta de polvo ou legumes, o ideal é buscar por vinhos que harmonizam com esses sabores. Se forem massas comuns, feitas à base de trigo, semolina ou grano duro, isso não deve afetar na harmonização.

Confira, a seguir, alguns tipos de molhos, e quais são os melhores vinhos para acompanhá-los.

Ao sugo

Feito de tomates frescos, apresenta acidez e frescor no paladar. Para a harmonização, procure por tintos de corpo médio, e cujos taninos tenham intensidade suficiente para equilibrar o paladar.

Ao falar sobre comida da Itália, é impossível deixar de citar vinhos tipicamente italianos, como o Nero D’Avola, principal uva da região da Sicília. O rótulo Castellani Nero D’Avola é uma excelente opção, pois traz aromas frescos de morango e ervas.

harmonização massas e vinhos

Outras opções que podem gerar boas harmonizações são os vinhos de Chianti, Montepulciano d’Abruzzo e Primitivo.

Bolonhesa

Criado na cidade de Bologna, esse molho é feito a partir de um cozimento lento de carne moída. Uma curiosidade é que, em sua origem, não leva tomate. Sua base é, na verdade, feita de soffritto de salsão, cenoura e cebola, e posteriormente, é adicionado extrato de tomate para auxiliar na concentração de sabor.

Se você está servindo o prato para uma ocasião especial, harmonize com vinhos feitos com a uva Nebbiolo, como o Barolo e o Barbaresco. Com boa intensidade, apresentam estrutura complexa e taninos bem presentes. Uma sugestão é o Barbaresco Magno Docg 2015.

Para ocasiões mais simples e descompromissadas, sempre é possível apostar em vinhos tintos comuns, como o Cabernet Sauvignon, ou até Tempranillo e Syrah encorpados.

harmonização massas e vinhos

O molho bolonhesa original tem como base cenoura, salsão e cebola.

Bechamel ou molho branco

A diferença entre bechamel e molho branco está nos ingredientes: enquanto no primeiro, a farinha é incorporada à manteiga, no segundo, ela pode ser diluída em água, leite, molho branco ou caldo.

Para ambos os casos, a origem é francesa. Algumas vezes, podem ser infusionados ingredientes para acrescentar sabor, como cebola, alho e especiarias. Outros cozinheiros gostam de finalizá-lo com queijo.

A harmonização de massas e vinhos, nesse caso, exigee rótulos à base de uvas brancas, com textura encorpada, como é caso do Chardonnay. O MontGras Reserva Chardonnay 2017 é um exemplar chileno que cabe perfeitamente para a ocasião.

Quem prefere rótulos tintos pode optar por um Pinot Noir, já que a uva tem intensidade similar a vinhos brancos mais encorpados.

Queijo

Existem centenas de tipos de queijos, e cada um tem um vinho ideal para acompanhar. Porém, para a maioria dos casos, a regra é a mesma: brancos com intensidade alta, e tintos com intensidade baixa ou média.

Para um molho de queijos de massa dura à base de bechamel, como parmesão, grana, emmenthal ou gruyere, basta apostar em um Chardonnay encorpado. Se a ocasião exigir uma bebida especial, o rótulo Langhe D.O.C. Nebbiolo Bric Cenciurio pode harmonizar perfeitamente.

Carbonara

É feito com a mistura de gema, queijo pecorino romano, guanciale e pimenta-do-reino moída. A dificuldade no preparo vem de deixá-lo na textura ideal, pois o molho deve cozinhar apenas com o calor residual do macarrão.

Para adaptar a receita, é possível substituir o queijo pecorino romano (feito à base de leite de ovelhas) por parmesão, e o guanciale (toucinho curado da papada do porco) por pancetta ou bacon.

O sabor do carbonara é bastante delicado, e por isso, é necessário encontrar um vinho branco equilibrado, com acidez capaz de neutralizar a gordura da gema e do guanciale. Uma sugestão é o Miolo Reserva Pinot Grigio 2017, rótulo brasileiro com aromas frutados e florais.

harmonização massas e vinhos

Os vinhos brancos equilibrados harmonizam bem com macarrão à carbonara.

Pesto

Originário da cidade de Gênova, o molho pesto é feito de manjericão, queijo pecorino romano ou parmesão, pinolis, alho, azeite e sal triturados. Algumas vezes, pode levar castanhas e nozes.

É um molho oleoso, fresco e pungente, e exige vinhos brancos com acidez presente e corpo médio. A dica é investir em um Sauvignon Blanc jovem, como o Montgras Aura Sauvignon Blanc 2018. As notas cítricas gustativas e olfativas devem complementar bem a refeição.

Frutos do mar

As massas com molho de frutos do mar são muito comuns nas regiões costeiras da Itália, e são perfeitas para dias quentes. Acompanham bem vinhos brancos de corpo leve, como Pinot Grigio e Verdicchio.

Os rosés também podem ser excelentes opções para a harmonização de massas e vinhos. Opte por rótulos leves, à base da uva Pinot Noir, como o argentino Alpataco Pinot Noir Rosé 2017, que traz no nariz deliciosos aromas frescos e florais.

harmonização massas e vinhos

As massas com molho de frutos do mar são excelentes para dias quentes.

O macarrão é uma base culinária incrível, e seus inúmeros tipos e formatos podem proporcionar ótimas harmonizações de massas e vinhos. Para isso, é necessário sempre respeitar o sabor dos molhos servidos.

O Divvino é um e-commerce especializado em vinhos que oferece mais de mil rótulos do mundo todo, incluindo opções perfeitas para as suas harmonizações enogastronômicas.

Além da loja virtual, oferece como modalidade o ClubeD, um clube de vinhos com rótulos especiais a preços exclusivos. Clique no banner abaixo e participe!

harmonização massas e vinhos




Pizza e vinho: 7 opções de harmonização com vinhos

Apesar de ser um prato de origem italiana, a pizza é uma grande paixão dos brasileiros. Segundo a Associação de Pizzarias Unidas de São Paulo, nosso país produz cerca de um milhão de unidades diariamente.

E para uma degustação perfeita, nada melhor que combinar pizza e vinho. Escolhendo o rótulo correto, que respeita os sabores e características do prato, você terá uma excelente harmonização.

Descubra, a seguir, três sugestões de harmonização entre pizza e vinho que vão agradar o seu paladar!

1. Pizza de calabresa

É o sabor preferido dos brasileiros, mesmo levando poucos ingredientes: massa, molho de tomate, queijo, calabresa e, algumas vezes, cebola. Por conta de seu sabor salgado e untuoso, é necessário escolher um rótulo com acidez e taninos bem presentes para equilibrar sua degustação.

pizza e vinho pizza de calabresa

Uma excelente sugestão é o Barbera D’alba Domina, rótulo da região italiana de Piemonte. Trata-se de um tinto elegante, com aroma de frutas vermelhas maduras e toques herbáceos.

O mesmo vinho pode ser utilizado para harmonizar com pizzas sabor pepperoni, que são uma variação de linguiça mais apimentada.

pizza e vinho pizzas de calabresa

2. Pizza margherita

É a pizza mais tradicional da província de Napoli, feita com tomates, manjericão fresco, muçarela de búfala e um fio de azeite. Foi nomeada assim em homenagem a Margherita de Savoy, rainha da Itália entre 1878 e 1900. Além disso, seus ingredientes representam as cores da bandeira de seu país de origem.

pizza e vinho pizza margherita

Feita com tomates, manjericão fresco, muçarela de búfala e um fio de azeite, a pizza margherita é um clássico.

Como harmonização para um clássico italiano, é ideal escolher um bom rótulo de mesma origem, como o Chianti Castellani Reserva DOCG. Feito com um blend entre Cabernet Sauvignon, Canaiolo, Sangiovese, é um vinho macio, com taninos aveludados e polidos.

Entre os principais aromas, é possível perceber notas de cereja e morango fresco, acompanhados por ervas finas. Sua passagem em barris de carvalho por 24 meses, o deixaram completamente sedosos e polidos.

É um vinho que conversa bem com sabores herbais e queijos, tornando-se a opção ideal a quem deseja desfrutar de uma pizza tradicional como a margherita.

3. Pizza de frango com catupiry

O requeijão cremoso tipo catupiry é uma invenção genuinamente brasileira e foi incorporado aos sabores de pizza na década de 70, pois mantinha sua consistência, mesmo sob altas temperaturas. O frango, por sua vez, veio complementar a mistura trazendo sabor e textura.

O Phebus Reserva Merlot é um rótulo marcante, capaz de suavizar a cremosidade do catupiry e o sabor do frango, limpando seu paladar enquanto degusta a iguaria.

Com um paladar de médio corpo, apresenta taninos finos e elegantes e aromas de especiarias e notas de café tostado.

pizza e vinho pizza de frango com catupiry

4. Pizza de quatro queijos

Não há uma regra para esse tipo de pizza, e é possível recheá-la de acordo com sua preferência. O importante é que os sabores fiquem bem equilibrados (com queijos mais salgados, adocicados, amadeirados ou pungentes), assim como as texturas (com tipos cremosos, elásticos e gratinados).

Dica: uma sugestão para ter uma receita bem equilibrada é misturar muçarela, catupiry, gorgonzola e parmesão. Os quatro tipos têm sabores diferentes, e cada um dará uma característica específica ao prato.

Por ser um sabor mais gorduroso, é necessário harmonizar essa pizza com vinhos de acidez bem presente, e ao mesmo tempo com certa estrutura. Os brancos encorpados, como os feitos com a uva Chardonnay, e os tintos mais leves, como Pinot Noir e Barbera, são excelentes opções.

5. Pizza portuguesa

Apesar do nome, esse sabor é genuinamente brasileiro. Foi batizada em homenagem ao país lusitano, pois durante o século 20 os imigrantes italianos que viviam no Brasil levavam suas massas de pizza para serem assadas nos fornos de padarias, que, em sua maioria, eram comandadas por portugueses. Os recheios (presunto, queijo, cebola e ovo) eram, na verdade, alimentos que sobravam no estabelecimento.

pizza e vinho pizza portuguesa

A pizza portuguesa é, na verdade, um sabor tipicamente brasileiro.

O desafio na escolha do vinho para harmonizar com pizza portuguesa está justamente na grande variedade de ingredientes. Um rótulo com acidez e intensidade média (como um Merlot bem equilibrado) é uma ótima escolha.

6. Pizza de chocolate

A harmonização com pizzas doces é tão deliciosa quanto com salgadas. O sabor chocolate é um clássico, com um paladar bem equilibrado entre doce e salgado, e ótima cremosidade.

Quando falamos em chocolate, a harmonização mais comum se dá com Vinho do Porto, que tem uma grande quantidade de açúcar residual, equilibrando-se ao dulçor do prato. Nesse caso, opte pelos rótulos da variação Ruby.

Além disso, é possível escolher tintos comuns não fortificados, como as variações Merlot e Carménère. Nesse caso, opte por vinhos com passagem por barrica, que possam ter aromas de cacau, tabaco e madeira.

7. Pizza de banana e canela

Outro sabor doce que faz muito sucesso em pizzarias é o de banana e canela. Trata-se de uma pizza bastante equilibrada, que mistura sabores doces e aromas frutados e amadeirados.

Para combinar com essa intensidade aromática, escolha um rótulo que entregue as mesmas características em taça e que, ao mesmo tempo, tenha acidez para neutralizar a untuosidade e a potência do prato.

Uma sugestão para esse casamento entre pizza e vinho é o espumante Casa Perini Moscatel, conhecido e premiado mundialmente. Com paladar adocicado e refrescante e perlage agradável, combina perfeitamente com a iguaria.

pizza e vinho espumante casa perini

Para cada sabor de pizza, há um vinho ideal. Escolher o rótulo correto deve dar à sua degustação uma experiência totalmente diferente. Para conferir diversas receitas de pizzas doces e salgadas, e o vinho ideal para cada uma delas, clique no banner abaixo e baixe gratuitamente o e-book com 25 receitas entre a massa e a bebida!

pizza e vinho divvino




Talharim verde ao molho picante e camarões: aprenda como preparar e harmonizar

Conhecida também como taglierini ou tajarin, a massa talharim tem formato de tiras, cozimento rápido e, geralmente, é acompanhado de molhos simples e cremosos.

Já o camarão é uma designação a crustáceos, que podem ser de água doce ou salgada. Na culinária, é responsável por “apimentar” as combinações e tornar o sabor das receitas mais intenso.

Embora sejam de características diferentes, unir as duas especiarias pode ser uma ótima ideia! Por essa razão, preparamos uma receita muito apetitosa de talharim verde ao molho picante e camarões. O melhor de tudo: é sem glúten!

Continue a leitura para aprender como preparar a receita e, além disso, como harmonizar com vinho. Vamos lá?

Ingredientes

Talharim

  • ½ colher (café) de goma xantana ½ colher (café) de sal marinho
  • 1 xícara (chá) de farinha de arroz branco fina
  • 4 colheres (sopa) de azeite
  • 1 maço de espinafre (somente as folhas)
  • ¼ de xícara (chá) de polvilho doce
  • 1 xícara (chá) de água
  • 2 colheres (sopa) de psyllium
  • 2 xícaras (chá) de fécula de batata

Molho de tomate

  • ¼ de xícara (chá) de azeite de oliva
  • 4 dentes de alho picados
  • 1 cebola média picada
  • 200 g de cogumelo champignon fresco fatiado
  • Ervas frescas picadas a gosto: manjericão basílico, salsinha e tomilho
  • Sal marinho e pimenta-do-reino a gosto
  • 500 g de camarões descascados
  • 3 kg de tomates picados sem pele e sem sementes
  • ¼ de xícara (chá) de vinho branco
  • Parmesão ralado
  • 1 pitada de curry amarelo
  • 1 pitada de páprica picante

Modo de preparo

Talharim

Passo 1: Refogue o espinafre com um fio de azeite e retire do fogo. Coloque em uma peneira e drene para escorrer toda a água.

Passo 2: No liquidificador, bata o espinafre refogado, o sal, o azeite e a água. Retire do liquidificador e adicione o psyllium para hidratar.

Passo 3: Misture todos os ingredientes secos em uma vasilha, abra um buraco no centro e adicione a mistura líquida aos poucos. Se for preciso, adicione mais água aos poucos até dar o ponto (ela deverá ficar lisa e homogênea).

Passo 4: Embale a massa em filme plástico e deixe descansar por 15 min. Polvilhe uma mesa lisa com farinha de arroz e com um cilindro de abrir macarrão abra a massa, sempre polvilhando e virando para que não grude.

Passo 5: Faça retângulos de massa, enrole-os e corte com a faca na espessura de 2 cm. Coloque água com sal para ferver e cozinhe por 4 a 8 min. ou até ficar al dente.

Molho de tomate

Passo 1: Aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho até dourar. Adicione os tomates e tempere a gosto. Deixe cozinhar por 20 min. para apurar bem e reserve.

Passo 2: Regue uma frigideira com azeite, adicione os camarões, os cogumelos, o sal e a pimenta. Flambe com vinho branco, salpique o curry, a páprica, as ervas e adicione ao molho de tomates.

Passo 3: Coloque a massa cozida diretamente no molho de tomates, salpique parmesão por cima e decore com manjericão.

Como harmonizar

Com a sutileza da receita, o ideal são vinhos brancos, principalmente com as uvas Chardonnay e Sauvignon Blanc, que apresentam aromas de frutas e florais com muito frescor, pouca acidez, taninos equilibrados e final de boca irresistível!

talharim verde e camarões

Vinhos com a uva Gewürztraminer e Riesling também podem ser harmonizados com o talharim ao molho picante e camarões, já que oferecem paladar seco, fresco e elegante, o que dará um delicioso contraste com o prato.

O que achou da receita? Para conhecer mais tipos de comidas e como combiná-las com vinhos, acesse a categoria de harmonizações no blog do Divvino. Clique aqui para conferir!





Jantar a dois: 3 tipos de lasanhas para harmonizar com vinho

Para um jantar a dois encantador, tudo precisa ser planejado: desde a iluminação e arrumação da mesa a ambientação e vestuário. A escolha do cardápio também deve ser cuidadosa, a fim de deixar tudo intimamente agradável ao casal.

A lasanha é um prato curinga para ocasiões como essa. A especiaria não demanda muito trabalho no preparo, além de ser uma delícia!

Se essa for a escolha de refeição, é preciso pensar na bebida que acompanhará o prato e todo o jantar. Nesses momentos, a primeira coisa que vem a cabeça dos casais é o vinho – o que é uma ótima opção!

Para isso, é fundamental ter atenção à harmonização entre o tipo da lasanha e o vinho. Em muitos casos, uma má escolha interfere consideravelmente no sabor dos pratos. Além disso, o melhor do vinho é perdido.

Para aprender como harmonizá-los, listamos três tipos de lasanha e o vinho indicado para o prato. Confira!

1. Lasanha de berinjela

Engana-se quem pensa que a lasanha de berinjela deve ser simples. Você pode deixá-la muito mais completa, com a inclusão de presunto, mussarela e parmesão ralado. Para acompanhar, o ideal é preferir um vinho marcante, frutado e elegante.

O Vinorum Reserva Malbec pode ser a pedida! De cor rubi intenso e bordas violáceas, trata-se de um varietal 100% Malbec, que passa por envelhecimento em barricas de carvalho francês por 8 meses e repousa por mais 12 em garrafa.

2. Lasanha de queijos

Nesse caso, para saber com qual vinho harmonizar, é preciso saber quais queijos serão utilizados na receita. O mais comum é utilizar a mussarela, provolone, gorgonzola e parmesão. No entanto, se houver alguma mudança, é fundamental identificar as características do queijo, a fim de saber se é ácido ou suave, com massa consistente ou não e o aroma.

lasanhas para harmonizar com vinho

Porém, levando em conta a receita tradicional, a indicação do vinho é por aqueles com uvas Merlot, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc. O rótulo Château Bel-Air Raillon Côtes De Bourg, disponível na loja virtual do Divvino, atende todas as “exigências”.

O vinho é límpido e vermelho, com aroma que contém notas de especiarias e frutas vermelhas. Seu paladar é seco e de taninos redondos, contrastando com a intensidade da lasanha.

lasanhas para harmonizar com vinhos lasanha de queijos

3. Lasanha a Bolognesi

Ainda “tímido” na mesa dos brasileiros, o tipo de lasanha a bolognesi é um prato que pode encantar todo o jantar do casal. Se estiver em harmonia com o vinho, pode aumentar ainda mais a expectativa do encontro!

Que tal apostar no rótulo Poggio Al Casone Chianti Superiore? O vinho é frutado na medida certa, além de ter taninos refinados e que equilibram toda a intensidade da lasanha. Vale a pena experimentar essa combinação!

lasanhas para harmonizar com vinhos lasanha a bolognesi

Preparado para arrasar na preparação do jantar a dois? Se antecipe e compre os vinhos já! Acesse a loja virtual do Divvino e conheça as opções de rótulos nacionais e internacionais!





Conheça tipos de vinhos para harmonizar com macarrão à carbonara

Nascido em Roma, na Itália, o macarrão à carbonara é um prato bastante consumido no Brasil. Além do tradicional espaguete, fusilli e penne, a massa italiana tem seu espaço na mesa dos brasileiros.

Seu diferencial é a cremosidade e acidez, com queijo parmesão derretido (ou creme de leite) e pancetta (ou bacon) bastante intensos no prato.

Na combinação com vinho, se bem harmonizado, pode garantir uma prazerosa refeição. Por isso, certifique-se do melhor tipo para a união do prato com a bebida.

Continue a leitura e saiba como acertar na escolha do vinho na harmonização com o macarrão à carbonara!

Marqués De Chivé Reserva

O vinho é um varietal 100% da uva Tempranillo, que passa por envelhecimento em barricas de Carvalho francês por 12 meses e ainda repousa por mais 12 em garrafa na adega.

Uma ótima combinação para um bom prato de macarrão à carbonara! Os taninos maduros e acidez suculenta presentes no vinho vão contrastar perfeitamente com a intensidade da pancetta (ou bacon) na especiaria.

É um um rótulo moderno, encorpado, robusto e requintado! No visual apresenta cor púrpura brilhante. No nariz, é frutado com notas de framboesa e sutil especiaria. O paladar é envolvente com de final marcante e agradável. Um vinho delicado e encantador!

vinhos e macarrao a carbonara masques de chive

Cloud Break Zinfandel

A pimenta do reino e queijo parmesão, dois dos principais ingredientes do macarrão à carbonara, dão cremosidade e um sabor mais picante ao prato. Para equilibrar esse sabor, é preciso que o vinho ofereça acidez suculenta de final longo e elegante.

vinhos e macarrao a carbonara

O Cloud Break Zinfandel dispõe de todas essas características. O vinho apresenta paladar envolvente, taninos delicados e é repleto de frutas e especiarias.

Na loja virtual do Divvino, você pode conferir rótulos de vinhos nacionais e internacionais. Clique aqui para conhecer as opções e preparar a melhor harmonização com o macarrão à carbonara!




Conheça os melhores vinhos para acompanhar massas

Seja qual for nossa origem, levamos a paixão pelas massas,não é mesmo. No entanto, como combinar massas e vinhos?

Apesar de não ser nenhum desafio, o mais importante é ficarmos atentos aos molhos e guarnições que estarão presentes no prato.
Pensando nisso, elaboramos uma série de harmonizações com vinhos diferentes, que vão facilitar a sua escolha no dia a dia. Confira!

Para vinhos mais leves

Para esse caso, os frutos do mar. Além de delicados, têm notas marítimas e, por isso, é importante ficar atento à escolha do vinho certo. Os vinhos brancos e rosés, mais claros, de modo geral, acentuam essas notas delicadas vindas do mar e portanto valorizam ainda mais o seu prato!

Dica da Sommelier:

Casal Mendes Rosé

Monte Da Ravasqueira 

Para vinhos Brancos mais ácidos

Os vinhos brancos que apresentam mais acidez harmonizam muito bem com Molho Pesto, uma vez que, nesse prato, os aromas do molho são de ervas e vegetais, pois são mais leves e de acidez acentuada.

As uvas Sauvignon Blanc e Torrontés são uma ótima pedida para o delicado perfume dos molhos desse estilo.

Dica da Sommelier:

Amaral Sauvignon Blanc

Santa Irene Torrontés

Para vinhos gastronômicos

Molhos de Tomates, como o sugo e atomatados, de origem italiana, são muito populares e apreciados pelos brasileiros. Já que esse prato está tão presente no nosso dia a dia, é sempre bom saber com qual tipo de vinho melhor harmoniza!

Para isso, aposte nos vinhos roses, tintos, do estilo Chianti, e os da uva Merlot, porque eles têm acidez excelente e necessária para os molhos vermelhos.

Dica da Sommelier:

Chianti Castellani Reserva

Cantoalba Classic Merlot

Para vinhos leves e elegantes

Molhos à base de queijos! Esses molhos são mais gordurosos e pesados, o que requer vinhos mais volumosos e de acidez presente, por isso o Chardonnay e até mesmo a sutileza de um Pinot Noir ou ainda um Beaujolais. Eles são tintos, de boa fruta e por isso acompanham a elegância de molhos com queijos.

Dica da Sommelier:

Phebus Reserva Chardonnay

Alpataco Pinot Noir

Para tintos mais encorpados

A respostas para essa harmonização é carne bovina! A presença da carne no alimento cria a necessidade de vinhos mais encorpados para a harmonização, por isso, o Cabernet Sauvignon é uma boa pedida.

Além disso, tanto para lasanhas e panquecas quanto para o macarrão à bolonhesa, os taninos e a acidez dos vinhos tintos são essenciais.

Dica da Sommelier:

Castellani Cabernet Sauvignon

Mousai Cabernet Sauvignon

E aí, o que achou das dicas? Para descobrir as melhores combinações de alimentos e vinhos, clique aqui e acesse a categoria de harmonizações do blog do Divvino!